Crianças com enxaqueca

Mais comum do que se imagina, problema costuma ser hereditário.

É cada vez mais comum observar crianças que sofrem com enxaqueca, um quadro mais severo da dor de cabeça, que é um dos problemas de saúde que acometem o ser humano com grande frequência.

Ela pode se manifestar já na idade pré-escolar, e as causas são as mais variadas, porém, a pré-disposição genética é um dos fatores mais comuns.

É preciso analisar o histórico familiar, pois a enxaqueca na criança está principalmente associada à genética. Porém, há uma série de outros fatores desencadeantes, como alergia a determinados alimentos, proximidade do período pré-menstrual, entre outros.

Os sintomas da enxaqueca vão desde as fortes dores na cabeça às náuseas, tonturas, vômitos, aversão à claridade, visão embaçada, irritabilidade, entre outros. Fatores como ficar muito tempo em frente à tevê jogando video-game ou passar horas no computador também aumentam a possibilidade de desenvolver a doença.

A alimentação inadequada, assim como o esforço visual, horas em frente ao computador ou à tevê, e noites mal dormidas também podem desencadear a enxaqueca. Há crianças que são alérgicas, por exemplo, ao corante amarelo, presente em alguns alimentos e que acabam desencadeando o problema. Nesse caso, a medida preventiva seria suspender o consumo dos mesmos.

O tratamento inclui medicamentos e mudanças no estilo de vida da criança. Vai depender do caso, pois somente o médico poderá orientar qual será o melhor caminho a seguir. Em mais de 80% dos casos há sucesso do tratamento. Porém, é possível prevenir a doença evitando alguns alimentos como chocolate, condimentos e o acúmulo de atividades extracurriculares, que podem desencadear uma crise.