Dor de cabeça do orgasmo

Imagine uma dor de cabeça fortíssima, em caráter explosivo, atingindo toda a cabeça exatamente no momento do início de um orgasmo. Esse pesadelo existe e acomete mais homens do que mulheres, em 0,4% da população. Com mecanismos ainda desconhecidos, a dor de cabeça do orgasmo atinge mais aqueles que apresentam outros tipos de dor de cabeça crônica, como a enxaqueca, por exemplo. Essa variante de dor de cabeça comumente provoca a interrupção do ato sexual e estabelece em seus sofredores um temor pela atividade sexual e pela possibilidade de se estar diante de uma causa grave para a dor.

Com crises muito intensas, geralmente afetando toda a cabeça ou só a nuca, e se iniciando na iminência do orgasmo, a dor desaparece em poucos minutos se o(a) paciente interrompe a relação sexual, ou chega a durar até 48 horas se o orgasmo é completado. A maioria dos portadores desse tipo de dor de cabeça não apresenta nenhuma causa orgânica grave, mas como até 5% deles revelam lesões ou processos expansivos, principalmente de uma área do cérebro chamada fossa posterior, todos devem ser avaliados séria e criteriosamente por um neurologista ou especialista em dor de cabeça. Aqui, geralmente os exames de imagem, como a tomografia computadorizada e a ressonância nuclear magnética de crânio, são indicadas na primeira vez que o paciente apresenta estas dores.

Tratamento

Uma vez que o diagnóstico de causa orgânica grave tenha sido afastado pelos procedimentos corretos de avaliação, o tratamento consiste de medicamentos NÃO ANALGÉSICOS usados regularmente durante um período de tempo. Por vezes observamos resultados ineficazes em função da intolerância de alguns pacientes à medicação. Pode haver remissão espontânea da dor, que tem a perspectiva de retornar semanas, meses ou anos depois. Em geral, a evolução é satisfatória e o resultado final é o fim da dor de cabeça e da fase de desespero.